Jogos “mortais” online: o perigo real da internet

Há um tempo atrás derramei lágrimas ao ver uma reportagem sobre uma menina de apenas 6 anos com as costas toda queimada após assistir vídeos sobre fadas que dava instruções sobre como se tornar uma fada, e ontem apareceu em várias redes sociais sobre o jogo “Blue Whale”, um jogo online criado em grupos fechados que instruem  jovens a cumprirem 50 tarefas como, desenhar com uma lamina na pele a figura de uma baleia azul ou assistir 24 horas de filmes de terror, até a última tarefa que é dar fim a própria vida.

O jogo esta em muita evidência na Russia, onde a jovem de 15 anos Yulia Konstantinova, após postar em seu perfil “end”, tirou a própria vida. Infelizmente as pessoas só se deram conta que ela deveria estar participando do grupo após seu suicídio. As autoridades Russas já dizem que cerca de 130 suicídios ocorreram no país devido ao jogo.

Isso é uma questão que muito me preocupa pois tenho uma filha de 10 anos e que, como a maioria dos jovens de hoje, é muito ligada na internet e todos os tipos de aplicativos que existem. Além disso, ela esta numa fase em que acredita em tudo que lê, acha que tem que compartilhar todas as correntes que recebe para ficar rica ou para que um milagre aconteça ou ainda porque senão algo ruim vai acontecer com alguém. Já tive uma boa conversa com ela, mas vira e mexe ela está compartilhando coisas ou instalando outras que dizem que se não o fizer pode acontecer algo.

Muita gente vendo esse tipo de reportagem pode pensar: “quanta besteira! Como alguém acredita nisso?”, afinal já temos discernimento para o que é real ou não, mas para eles a sensação de se conseguir algo que quer ou de evitar que algo de ruim aconteça a alguém da família, é muito sério e mais preocupante ainda é saber que tem adultos por trás de coisas terríveis como essas.

No caso dos pequenos, é muito comum deixarmos eles vendo desenhos para dar tempo de fazer algo, mas temos que sempre estar de olho para o que realmente eles estão assistindo, pois as mensagens vem no meio dos desenhos, e se estivermos junto, poderemos explicar o errado que aparece.

Já no caso dos adolescentes, psicólogos acreditam que a procura pelo jogo, vem da depressão ou da dificuldade por passar por uma fase tão complicada como a adolescência. Seguem algumas dicas para que os pais não descubram tarde demais como seus filhos realmente se sentem.

  • Ficar atentos as mudanças extremas de atitude, tanto tristeza demasiada como alegria demasiada.
  • Reparar se seu filho passa madrugadas ou horas fechado navegando na internet.
  • Falta de apetite ou convívio social.
  • E participar mais da vida do seu filho, conversando e fazendo seu filho se abrir, pequenas atitudes ou conversas podem ser a salvação num momento como este.

No Brasil ainda não foram encontrados casos relatados ao Blue Whale mas sabemos que com essa exposição grande sobre o tema, pode atrair os nossos jovens.

Agora é um bom momento para se conversar e ficar de olho no que seu filho anda vendo na internet.

É muito triste pensar que uma coisa que trás tantos benefícios e aprendizado como a internet, possa ser ferramenta para pessoas de má índole acabar com nossas crianças e jovens.